O regresso das equipas B

Posted on domingo, janeiro 01, 2012 by nçaz.

Novo ano, regresso das equipas B, agora ao segundo escalão do futebol profissional português. Uma medida recentemente aprovada que dará, certamente, muito jeito, quer aos Grandes de Portugal, quer a outras equipas do primeiro escalão.

Falando da equipa B do Sport Lisboa e Benfica, é algo que o clube deve usufruir e aproveitar da melhor maneira, não num pressuposto de comissões, contratando “contentores” de sul-americanos. Para um clube que segundo Luís Filipe Vieira, vai ter de investir menos, tem um número excessivo de jogadores com um contrato profissional. Actualmente são mais de 70 futebolistas ligados ao SLBenfica, número o qual terá de ser reduzido. Alguns terão obviamente a sua oportunidade de jogar na equipa B, actuando numa liga super competitiva como a Orangina. Nomes como Lionel Carole, Rúben Pinto, Luís Martins, José Luís Fernández, Jan Oblak, Derlis González, Rafael Copetti ou Victor Lindelöf, e obviamente alguns atletas da Caixa Futebol Campus (CFC), merecem e devem integrar a equipa B, que entra em curso a partir da época 2012/2013. Uns que pouco ou nada jogam no actual emblema que representam e outros que irão pisar o solo lusitano pela primeira vez. Como está à vista de todos, a criação das equipas B vem solucionar o grande problema de emprestar atletas a outros clubes que pode acabar por não ser benéfico, visto terminarem a temporada com (muito) pouco tempo de jogo.

Para além dos jogadores que devem ou não integrar a equipa B na próxima temporada, muito se tem discutido sobre quem será o treinador indicado para liderar a formação que irá actuar na Liga Orangina. Aqui, aponto dois nomes, ambos portugueses, conhecedores do SLBenfica e que trabalham nos escalões de formação do nosso clube: João Tralhão (técnico dos Juniores A Sub19) e Bruno Lage (timoneiro dos Juniores Sub17). Para além de ser benéfico para alguns jogadores, também é uma boa oportunidade para treinadores mais jovens demonstrarem trabalho e, caso tenham sucesso, poderem vir a ser, no futuro, aposta para liderarem a formação principal, à margem daquilo que se sucedeu com Guardiola no Barcelona.

Esta medida do regresso das equipas B só pode trazer vantagens para os emblemas lusos, para além de que irá promover o jogador português, jogador esse que os próprios adeptos benfiquistas gostariam de ter mais na equipa principal.

P.S. – Aproveito para desejar a todos os leitores um feliz 2012, recheado de sucessos a todos os níveis.

3 Response to "O regresso das equipas B"

.
Hellvis Says....

De referir que a margem de estrangeiros a jogar a titular sera mt diminuta. A lei pede que 10 doa jogadores em campo tenham 3 anos de formação em portugal. Sera curioso ver como é q vamos incorporar tanto estrangeiro adquirido 'para a equipe B'. Concordo com as sugestões de treinadores. Sugeria ainda o Mozer e para adjunto o Nuno Gomes :)

Leave A Reply